Sueldo Antônio entra com outro processo contra a pré-candidata a prefeita, Cinthia Sonale

O presidente do Avante em Grossos, antigo PDdoB, Sueldo Antônio, entrou com outra representação eleitoral (veja a primeira aqui) contra a pré-candidata a prefeita, Cinthia Sonale, por uma suposta propaganda irregular (antecipada).
Alega o autor na petição:

"Os Representados foram escolhidos em Convenção Partidária, realizada em 13 de Setembro de 2020, para concorrerem aos cargos de prefeito e vice da cidade de Grossos-RN.

A Sra. Cinthia Sonale está matriculada no Partido as Social Democracia Brasileira(PSDB), enquanto que o Sr. Antônio Valdeci no Partido Popular Socialista(PPS).

O ato convencional, ocorreu nas dependências da Câmara Municipal do Município de Grossos-RN, no horário de 17h.

Ocorre, Excelência, que a Convenção, a qual deveria ter sido realizada somente para convencionais e filiados, como ato intrapartidário, transcendeu esses limites.

Houve carreada advindo de vários recantos da cidade, inclusive da zona rural, quando o cortejo foi puxado por paredão de som, e seguindo por seus seguidores políticos, fazendo uma verdadeira propaganda eleitoral extemporânea dos mesmos.

Haviam populares seguido de carros, motos, e mesmo a pé, com pessoas transportando bandeiras e vestimentas com as cores da campanha dos Representados, enaltecendo seus nomes por onde o cortejo passava.

A mobilização começou desde as primeiras horas da manhã e a carreata trouxe os seguidores políticos até defronte à Câmara Municipal, percorrendo distância considerável, incluindo a zona rural do município. Depois que ocorreu a Convenção, houve mais outra carreata, acompanhando o ‘paredão de som’, sempre fazendo menção as candidaturas dos Representados. Não se tratou de mera manifestação popular, eis que os atos foram realizados de maneira ostensiva atingindo a população em geral. Houve clara propaganda eleitoral antecipada, consubstanciada na promoção de carreata no dia da eleição. Como sabido, inexiste possibilidade alguma de propaganda nesse período, mormente a realização de carreata/passeata, em prol de determinado candidato. Além de violar a norma eleitoral, houve infringência a regra sanitária, quando, em momentos de pandemia, a determinação das autoridades é para evitar aglomeração de pessoas, e, observando o quantitativo de presentes, vê-se que ocorreu clara infringência a essas regras."

Postar um comentário

0 Comentários