Não deixe a política destruir suas amizades

As eleições municipais já são fato, estão se oficializando nas convenções partidárias que ocorrerão até o próximo dia 15, e os debates e o proselitismo passam a ser uma constante na vida dos cidadãos, que procuram se informar sobre os nomes que estão cotados para concorrer às vagas de prefeito e vereador em todos os municípios brasileiros. Seja nas redes sociais, seja nas – nada recomendadas em tempos de pandemia – rodinhas de discussão, o assunto do momento já são os candidatos, seus defeitos, suas qualidades, os que são “limpinhos”, os que têm sujeira na ficha, os que tiveram um passado nebuloso e os que sempre estiveram acima do lamaçal da corrupção, todos estão em voga neste momento de exercício da democracia.

Mas, antes de tudo, é preciso haver bom senso e equilíbrio nessa etapa do ano eleitoral.
A política não pode, jamais, suplantar a importância de uma amizade. A política entra em voga a cada dois anos. Uma amizade, se bem cultivada, pode durar por toda uma vida.

TODO CUIDADO É POUCO

É por isso que ressaltamos que todo cuidado é pouco para que amizades longevas não sejam “trincadas” por atitudes que algumas pessoas tomam, provocadas pelo calor da política.

Na política, assim como no futebol, há um percentual muito alto de paixão envolvido. Dessa forma, é fácil ver pessoas pacatas se transformarem em “cachorro doido”, outros em “baba-ovos”, cada um agindo de acordo com seu grau de envolvimento na campanha do seu “político de estimação”.

Nesta eleição, tudo isso vai ser multiplicado por 100, por conta das redes sociais, que permitem a troca de mensagens – e opiniões – quase que em tempo real e pode até resguardar os mais afoitos, por conta do “pseudo anonimato” oferecido pelas contas fake, o que pode transformar a campanha em um mar de fake News, denuncismo e mágoas, por mais que, insistimos, campanhas feitas com acusações são coisas do passado.

Logo, queremos fazer um alerta aos eleitores mais apaixonados: defenda seu candidato com todas as suas forças, mas não agrida seus amigos, familiares ou conhecidos que discordarem de você. Os políticos se entendem entre si, e não dão a mínima para a sua atuação durante a campanha. E cabe aos políticos a defesa por atos não republicanos que, porventura, tenha praticado. Não assuma o papel de advogado do diabo.

EXEMPLOS: RETROVISOR X PARA-BRISA

Podemos exemplificar com facilidade o que afirmamos acima. Basta um breve exercício de memória.

Quantos e quantos políticos já estiveram, juntos, em um mesmo barco e, certo tempo depois, mudaram para uma embarcação que ia em sentido contrário à anterior, sem nem ao menos ouvir seus eleitores e apoiadores mais apaixonado?




Postar um comentário

0 Comentários