Estudo da UFRN aponta que consumo do pescado é seguro

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) realizou a análise de peixes e crustáceos com o intuito de verificar a segurança alimentar do pescado, em virtude do aparecimento de manchas de óleo no litoral brasileiro a partir de agosto de 2019. O diagnóstico foi entregue nesta quinta-feira, 9, ao Governo do Estado e aponta que 17 espécies coletadas no litoral potiguar estão adequadas para ingestão, por não apresentarem componentes tóxicos à saúde humana.

De acordo com o coordenador da Central Analítica do Núcleo de Processamento Primário e Reúso de Água Produzida e Resíduos (NUPPRAR), Djalma Ribeiro da Silva, o resultado das análises de 17 amostras de peixes e invertebrados, coletados no dia 27 de novembro de 2019, na Colônia de Pescadores de Pirangi do Sul e Tibau do Sul, descarta o risco para a saúde do consumidor. “Esses resultados fazem parte de um esforço da UFRN, reforçando nosso compromisso com a sociedade”.

Realizado utilizando critérios qualitativos e quantitativos, o estudo observou a presença de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs), derivados que indicam a presença do petróleo. A coleta do pescado ocorreu sob a supervisão do Departamento de Morfologia da UFRN e do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema), quando ocorreu a avaliação visual para detectar óleo no pescado. Em seguida, foi feita uma análise química mais detalhada para verificar a presença de HPAs, levando em consideração padrões internacionais de qualidade do pescado.

O diagnóstico mostra os resultados nas espécies da Cioba, Cambuba, Sardinha, Bicuda, Tainha, Serra-Pininga e Serra, além de lagosta (vermelha), polvo, ostra e sururu. “Os valores de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos encontrados em todas as 17 amostras analisadas encontram-se muito abaixo dos níveis de preocupação definidos pela Comissão de Regulamentação da Comunidade Europeia. Por esse motivo, é possível concluir que o consumo dos pescados e invertebrados não representa risco para a saúde”, explica o pesquisador.

Ainda segundo Djalma da Silva, a análise tomou como base os pescados dos locais mais representativos do RN, visto que do total de 34 toneladas de óleo coletadas, 31 toneladas estavam presentes no Litoral Sul. Então, por analogia, os peixes e frutos do mar dos outros locais não devem apresentar contaminação. Contudo, o pesquisador lembra que o ideal é que todo o litoral seja analisado. Nessa perspectiva, para continuar as análises nas outras colônias de pescadores, o NUPPRAR enviou proposta de financiamento e aguarda retorno.

Análise

A equipe que assinou o relatório técnico “Análises de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos em amostras de pescado coletados no litoral norte-rio-grandense – Novembro/2019” é composta por pesquisadores do NUPPRAR e do Departamento de Morfologia, entretanto, contou ainda com a participação de outras unidades da instituição de ensino, como os Departamentos de Ecologia, de Ecologia Marinha e de Oceanografia e Limnologia.

Com informações da UFRN