quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020
A II Unidade Regional de Saúde Pública (II Ursap) realizou quinta-feira, das 9 às 12h, no auditório da unidade, o I Fórum de Enfrentamento às Arboviroses, direcionado aos coordenadores municipais de combate às arboviroses e referências municipais da Vigilância Epidemiológica. 

Presentes ao evento a gerente da II Ursap, Emiliana Bezerra Cavalcanti, o coordenador regional de controle das arboviroses da II Ursap, José Lázaro França de Araújo, a referência do Programa de Vigilância Epidemiológica da II Ursap, Vera Cristina Vale e a referência do Programa Saúde do Trabalhador, Leonardo Pansard. A Semana de Enfrentamento às Arboviroses será realizada de 17 a 21 de fevereiro.

É fundamental a conscientização da sociedade e dos secretários municipais de saúde e profissionais de saúde sobre a importância de se organizarem com a chegada do período chuvoso, no combate ao surgimento de novos criadouros do mosquito. “A iniciativa reforça a necessidade de cada cidadão me cidadã potiguar tomarem a decisão de proteger a sua casa e de seus familiares contra o Aedes aegypti, mosquito responsável pela transmissão de doenças como: dengue, zika e chikungunya”, explica o coordenador regional de controle das arboviroses da II Ursap, José Lázaro França de Araújo. 

A referência do Programa de Vigilância Epidemiológica da II Ursap, Vera Cristina Vale elencou os objetivos do Fórum no enfrentamento das arboviroses como evitar a ocorrência das infecções pelo vírus das arboviroses em áreas livres de circulação, detectar precocemente as epidemias, controlar as epidemias em curso, reduzir o risco de transmissão da dengue nas áreas endêmicas e reduzir a letalidade de Febre Hemorrágica da Dengue/SCD, mediante diagnóstico precoce e tratamento oportuno e adequado.

Para Vera Cristina Vale são necessárias medidas de controle para o enfrentamento às arboviroses como Acompanhar sistematicamente a evolução temporal da incidência de casos em cada área da cidade e confrontar com os índices de infestação vetorial; Alertar os níveis hierárquicos superiores quando houver risco de epidemias; Investigar qual o local provável de infecção, verificando cuidadosamente a possibilidade de ser caso autóctone, dentre outras. 

ÍNDICES DE INFESTAÇÃO PREDIAL DO Aedes aegypti/albopctus (pesquisa larvária) – 2020 – 2ª REGIÃO DE SAÚDE

Segundo Lazáro França dos municípios da 2ª Região de Saúde apenas dois estão em situação satisfatória; 08 (oito em estado de alerta e 04 (quatro) em alto risco. 

ÍNDICES DE INFESTAÇÃO PREDIAL DO Aedes aegypti/albopctus (pesquisa larvária) – 2020 – 8ª REGIÃO DE SAÚDE

Dois municípios em situação satisfatória, seis em alerta em situação de risco. 


Abdias Duque de Abrantes
Assessor de Comunicação Social
II Ursap MTB-PB Nº 604