14 de março de 2019
A gerente da II Unidade Regional de Saúde Pública (II URSAP), Emiliana Bezerra Cavalcanti, emitiu uma nota parabenizando a cidade de Mossoró pelos 167 anos de emancipação politica 

Confira nota na íntegra:

Neste dia 15 de março de 2019, a nossa cidade completa 167 de emancipação política e nada mais justo que parabenizar o povo mossoroense, gente de bem, guerreira, brava, honesta e batalhadora, que com seu trabalho diário, constrói o desenvolvimento do município. 

A nossa saudação a Mossoró que libertou seus escravos antes mesmo da promulgação da Lei Áurea,em1888. Mossoró teria sido a sexta cidade a extinguir a escravidão, depois de Redenção, Baturité, Icó, Maranguape e Fortaleza, todas no Estado do Ceará. O fato nos enobrece, uma vez que mostra o quanto o povo de Mossoró é arraigado ao espirito libertário e progressista.

Mossoró nos orgulha pelo fato de Celina Guimarães Vianna, professora e árbitra de futebol ter sido a primeira eleitora do Brasil, alistando-se aos 29 anos de idade. Com advento da Lei nº 660, de 25 de outubro de 1927, o Rio Grande do Norte foi o primeiro estado que estabeleceu que não haveria distinção de sexo para o exercício do sufrágio. Assim, em 25 de novembro de 1927, na cidade de Mossoró, foi incluído o nome de Celina Guimarães Vianna na lista dos eleitores do Rio Grande do Norte. O fato repercutiu mundialmente, por se tratar não somente da primeira eleitora do Brasil, mas da América Latina. 

Mossoró, pioneiro no sindicalismo do Estado do Rio Grande do Norte com a criação do Sindicato dos Operários das Salinas de Mossoró (denominado Sindicato do Garrancho), entre 1931 e 1946 que lutava por melhores condições de trabalho e por justiça social. O Sindicato do Garrancho é uma página do sindicalismo norte-rio-grandense que que não pode ser menosprezado pela historiografia. 

A saudação a terra do Motim das Mulheres, Guerra das Mulheres ou Revolta das Mulheres o movimento que ocorreu em 30 de agosto de 1875 na cidade de Mossoró. Naquele dia, cerca de trezentas mulheres saíram pelas ruas da cidade em passeata, com o objetivo de protestar contra a obrigatoriedade do alistamento militar dos seus maridos. Armadas com pedras e pedaços de pau, elas fizeram de refém o escrivão de paz e, em praça pública, rasgaram documentos de recrutamento de seus maridos para a Guerra do Paraguai. Entre as líderes da revolta, estavam Joaquina de Souza, Maria Filgueira e Anna Rodrigues Braga, conhecida como Anna Floriano. Mossoró sempre foi a terra da resistência. 

Mossoró é uma cidade histórica, progressista, libertária, industrial, universitária, religiosa, alegre e conhecida pela resistência histórica ao bando de Lampião. 

Parabéns, Terra de Santa Luzia!
Parabéns, Terra da Liberdade!
Parabéns, Mossoró!


Emiliana Bezerra Cavalcanti

Gerente da II Ursap