quinta-feira, 10 de maio de 2018
Há no Brasil um discurso unificado de que o Sistema Único de Saúde - SUS é vítima do subfinanciamento e que isso não somente o inviabiliza como submete a população às agruras do sofrimento e da morte. Não há a menor sombra de dúvidas de que isso é um fato incontestável, mas bem mais grave do que isso é a forma patrimonialista e irresponsável como os sucessivos governos tratam o Sistema e, como consequência, a saúde das pessoas.

Pensado e arquitetado na Constituição Federal para ser uma política de Estado com regras bem definidas e imunes aos nefastos efeitos da política rasteira e fisiologista que caracteriza o Brasil, o SUS tem sido historicamente tratado como uma reles política de governo, assaltado diuturnamente ao sabor dos interesses mercantilistas, privados e políticos dos governantes de plantão que o utilizam da forma mais vil e inescrupulosa como moeda política e de compra de apoios parlamentares. 

No Rio Grande do Norte não é diferente. Com a estrutura administrativa e os serviços loteados entre os diferentes grupos políticos, o SUS e a saúde sofrem nas mãos de quem os vê com o único objetivo de se locupletar através das indicações cuja exigência é uma só, atender aos pedidos e interesses dos que os indicam. 

Apesar dos esforços de alguns abnegados, que lutando contra a corrente e essa lógica estabelecida, fazem o possível para minimizar as mazelas decorrentes dessa perversa lógica de gestão, mesmo inseridos na crise que o estado tem enfrentado ao longo dos últimos anos, a realidade do Rio Grande do Norte escancara as práticas que deveriam ser combatidas dentro da Administração Pública.

A recente mudança na Pasta da Saúde Estadual, faltando apenas sete meses para o final do mandato, sem algo mais grave que a justifique e colocando em risco Conselho Estadual de Saúde - CES/RN Av. Deodoro, 730 – 12 º andar CEP-59025-600. Fone: 3232 3699 - 3232 7425 e-mail – cesrn@rn.gov.br concreto, incipientes ações visando a melhoria do Sistema, para mais uma vez atender a interesses privados, fisiologistas e de políticos não condizentes com as necessidades do SUS e que não têm qualquer compromisso com a saúde da população, é a prova da falência total de um governo com a marca da incompetência e descaso com as políticas públicas de cunho social. 

É prerrogativa e da competência do governante escolher quem achar mais conveniente para compor e realizar seu governo. Não é tarefa do movimento e do controle social se imiscuir nessas decisões e escolhas do governo, nem muito menos defender nome “A” ou “B”, e aqui não se trata disso, mas é nosso dever e obrigação denunciar e adotar as medidas cabíveis, sempre que entender que essas escolhas violentam os interesses do povo e os princípios das políticas públicas que nos cabem acompanhar e fiscalizar.

Natal, 10 de Maio de 2018. CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO GRANDE DO NORTE
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COLUNA DO LÊNIN TIERRA

NOS ACOMPANHE NO INSTAGRAM

Acessos

CONTATO DO BLOG

Telefone/Whats: (84) 9 8177-6707 Email: Contato@ofachodegrossos.com Facebook:  O Facho de Grossos © 2015 -2018 - O Facho de Grossos...

ASSISTÊNCIA TÉCNICA EM GROSSOS

ASSISTÊNCIA TÉCNICA EM GROSSOS

COLUNA DO EMILIO OLIVEIRA

O Facho de Grossos 2014. Tecnologia do Blogger.